Já tem uma conta?

Translate this blog

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons nas seguintes condições: você pode copiar, distribuir e utilizar livremente, desde que cite a autoria com link para o artigo neste blog, não o utilize com finalidade comercial e não faça modificações no conteúdo.

24 janeiro 2008

A doutrina da eleição resumida

A. A eleição de Deus se baseia em Seu próprio ser

Portanto, o fato de eleger uma pessoa tem que ser compatível com todos os Seus atributos. Se baseia em Sua onisciência, de modo que podemos estar seguros de que quando Ele elegeu, o fez com pleno conhecimento de todas as possibilidades optativas. Está relacionada com com o exercício de Sua soberana vontade, de modo que Ele não estava obrigado a fazer o que fez. Foi feita pelo Deus que é amor, assim que a predestinação foi feita em amor (Ef 1:4-5). Foi uma expressão de sua misericórdia. De outro modo, como poderia Deus ter amado a Jacó? (Rm 9:15). Ela demonstra a Sua graça incomparável (Ef 2:7-8). E o propósito final da eleição é manifestar a Sua glória (1:6, 12, 14). Usualmente colocamos a ênfase no fato de que Deus elege. Temos que recordar que é Deus quem elege, e Ele não pode fazer nada carente de amor ou injusto.

B. A eleição de Deus foi de indivíduos

Isto já foi tratado. Ele escolheu a indivíduos que juntos compõem o povo de Deus.

C. A eleição efetuada por Deus não se baseou em pré-conhecimento que significa previsão

A presciência não é um conceito neutro, mas implica certa classe de relacionamento.

D. A eleição de Deus ocorreu antes da fundação do mundo

Ele não nos escolheu somente depois de nós o termos escolhido (Ef 1:4 ).

E. A eleição por si mesma não resulta na salvação das pessoas

Certamente, a leição assegura que aqueles que foram escolhidos se salvarão, mas ela somente não salva. As pessoas são salvas pela fé na morte substutiva de Cristo e, por isso, eles tem que de alguma maneira aprender da morte de Cristo para que sua fé tenha conteúdo. Assim que, a eleição, a morte de Cristo, o testemunho de Sua morte e a fé pessoal todos são necessários na salvação de um indivíduo. A eleição só não salva.

F. A eleição tem um propósito, não é caprichosa

Seu propósito para conosco são o serviço e as boas obras (Jo 15:16; Gl 1:15-16; Ef 2:10; 1Ts 1:4-10). Seu propósito para com Deus é manifestar a Sua glória (Ef 1:6, 12, 14). Portanto, a doutrina da eleição é altamente motivadora e nunca deve debilitar a vida espiritual de alguém (Cl 3:12)

Traduzido de Ryrie, C. C. Teologı́a básica, por Clóvis Gonçalves.

2 comentários:

Edgard disse...

Gostei dessa explicação. Quer dizer que além de ser predestinado tem que ter atitude

franciney disse...

"Certamente, a leição assegura que aqueles que foram escolhidos se salvarão, mas ela somente não salva" Clovis muito boa a sua exposisão, porem todos o eleitos terão que passar pela converção correto e demais doutinas que fazem parte para a salvação "Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram? e como ouvirão, se não há quem pregue?" (Romanos 10 : 14)

Que Deus te abençõe meu irmão,

Franciney.

Postar um comentário

Sua leitura deste post muito me honrou. Fique à vontade para expressar suas críticas, sugestões, complemetos ou correções. A única exigência é que seja mantido o clima de respeito e cordialidade que caracteriza este blog.