Já tem uma conta?

Translate this blog

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons nas seguintes condições: você pode copiar, distribuir e utilizar livremente, desde que cite a autoria com link para o artigo neste blog, não o utilize com finalidade comercial e não faça modificações no conteúdo.

12 julho 2008

Predestinação e expiação


Recebi, por email o seguinte questionamento:

"Conversando com um amigo sobre a predestinação, ele me disse que se ela for verdadeira, a morte de Jesus teria sido em vão. O que posso dizer a ele sobre isso?"

Esta é uma objeção comum à doutrina da predestinação. O que não significa que seja uma objeção válida ou que coloque em risco a doutrina que louva a soberania de Deus. Uma análise, mesmo que superficial, demonstra que essa objeção não tem consistência lógica nem fundamento bíblico. Senão vejamos.

Sob uma ótica puramente lógica, a objeção faz a eficácia da morte de Cristo depender da inexistência da predestinação. Vejamos o que é predestinação e expiação e depois analisemos se são auto-excludentes. Predestinação é o conselho eterno e imutável pelo qual Deus escolhe e conduz para a salvação um número fixo de pessoas, sem levar em conta a dignidade deles. E expiação é o ato realizado na história pelo qual todos os que foram predestinados para a vida eterna são comprados para Deus. Olhando essas definições nós vemos que predestinação e expiação são complementares, não contraditórias. Predestinação é o planejamento da salvação, a expiação é o provimento dos meios necessários à salvação e a chamada eficaz é a aplicação dessa salvação. Assim, vemos que as duas doutrinas não apenas são harmônicas como enfatizam o papel de cada membro da Trindade na realização da salvação.

Embora as leis da lógica não sejam violadas, uma verdade é estabelecida pela Escritura e duas doutrinas supostamente contraditórias devem ser mantidas se forem ensinadas no Livro de Deus. E a verdade incontestável é que tanto a predestinação como a morte vicária de Cristo são doutrinas enfatizadas nas escrituras. Isto deveria nos refrear de aceitar uma em detrimento de outra apenas porque, em nossa mente finita elas parecem se contradizer.

Mesmo assim, o caso é que nas escrituras o decreto da predestinação e a redenção pelo sangue de Cristo são pronunciados, muitas vezes, num só fôlego. Vejamos por exemplo Efésios 1:3-11. Paulo fala da predestinação, da morte de Cristo e de novo da predestinação sem intercalar sequer um ponto de final entre essas verdades. Veja:

"Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que (...) nos escolheu nele antes da fundação do mundo (...) nos predestinou para ele (...) no qual temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados (...) predestinados segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade" (Ef 1:3-11)

O texto acima afirma que Deus "nos escolheu nele antes da fundação do mundo" e que "em amor nos predestinou para ele" segundo "o propósito daquele que faz todas as coisas segundo o conselho da sua vontade" e que "temos a redenção, pelos eu sangue, a remissão dos pecados". Ou seja, ao invés de anular ou tornar desnecessária a morte de Cristo, a predestinação converge para a morte de Cristo como a realização do "beneplácito que propusera em Cristo" na eternidade imemorável.

Veja ainda a seguinte passagem que diz que Deus "nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a sua própria determinação e graça que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos tempos eternos, e manifestada, agora, pelo aparecimento de nosso Salvador Cristo Jesus, o qual não só destruiu a morte, como trouxe à luz a vida e a imortalidade, mediante o evangelho" (2Tm 1:9-10). Veja a estreita relação entre a "determinação e graça que nos foi dada em Cristo Jesus antes dos tempos eternos" (predestinação) e a manifestação da salvação por Cristo Jesus que "não só destruiu a morte, como trouxe à luz a vida e a imortalidade" (expiação).

A predestinação não torna desnecessária a morte de Jesus, pois esta estava contida naquela. Pedro declarou que Jesus foi "entregue pelo determinado desígnio e presciência de Deus" (At 2:23), ou seja, a morte de Jesus era necessária para que o desígnio da predestinação fosse alcançado, por isso oravam reconhecendo que a morte de Jesus foi para cumrpir "tudo o que a tua mão e o teu propósito predeterminaram" (At 4:28). É porque a morte de Jesus estava contida no decreto da predestinação que João escreveu sobre o "Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo" (Ap 13:8).

Do exposto acima, e mais se poderia dizer, concluímos que o argumento de que a predestinação torna sem sentido a morte de Jesus é infundado e contrário ao claro ensinamento da escritura, tanto sobre a predestinação como sobre a expiação.

4 comentários:

(-V-) disse...

Prazer Clóvis,

Glória ao nosso Deus porque Ele nos amou e nos predestinou em Cristo, para Cristo e por Cristo.

Ótimo artigo. Que a Palavra seja pregada e somente Deus glorificado.

Na Verdade e no Amor que nos une,
Vinícius
(-V-)

Anonymous disse...

Graça e Paz..Clóviz!

Fiquei sabendo no seu blog que vc quer ganhar o livo: O conhecimento de Deus. J. I. Packer. Se vc quiser eu tenho ele em e-book?

Clóvis disse...

Querido anônimo,

Veja só como Deus é bom. Nesta semana a editora colocou o livro em oferta por R$ 14. Já fiz o pedido, e deve chegar dentro de alguns dias.

Deus o abençoe.

Clóvis

Clóvis disse...

Recebi o seguinte comentário do irmão James:

Graça e paz de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo, amado irmão Anchieta Campos.

Permita-me elucidar!

Clóvis,

Conheçamos o amor de Cristo, que excede todo o entendimento, para que sejamos cheios de toda a plenitude de Deus.

Li seu artigo, e quando afirma “a morte de Jesus era necessária para que o desígnio da predestinação fosse alcançado”, com certeza, e para expiação de nossos pecados, pois "Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores" (1Timóteo 1.15), e pecadores somos todos nós, Paulo, Pedro, João, Tiago, Ananias, Timóteo, James, Clóvis, Anchieta, Altair, Gutierres, Silas, Edir Macedo, Lutero, Obama, padre Marcelo, Filipe Massa, Ratinho, Silvio Santos, todos somos pecadores, e, Jesus veio para salvar a todos!!!

Ainda em seu artigo, onde utiliza Efésios 1.3-11, vamos mais além, versículo 19, “... a sobreexcelente grandeza do seu poder sobre nós, os que cremos, segundo a operação da força do seu poder,”, note bem, entre vírgulas, “os que cremos”, porque a condição de crer?

“Para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna... Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.” (João 3.15,16,18).

Finalmente, todas as vezes que abro minha Bíblia, a predestinação de um povo, sem nomes pré-determinados, estará lá, “em amor nos predestinou”, realmente Deus predestinou o homem para salvação, entretanto, este mesmo homem precisa ser provado se é apto para adquirir salvação, preciso querer ser um dos escolhidos (não é obrigado!), e quem são os escolhidos? Os que invocam o nome do Senhor, os que crêem em Cristo Jesus!!

“E há de ser que todo aquele que invocar o nome do SENHOR será salvo; porque no monte Sião e em Jerusalém haverá livramento, assim como disse o SENHOR, e entre os sobreviventes, aqueles que o SENHOR chamar.” (Joel 2.32)

“Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.” (Romanos 10.13)

“E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.” (Atos 2.21)

Fraternalmente.
James.
www.jesusmaioramor.blogspot.com

Postar um comentário

Sua leitura deste post muito me honrou. Fique à vontade para expressar suas críticas, sugestões, complemetos ou correções. A única exigência é que seja mantido o clima de respeito e cordialidade que caracteriza este blog.