Já tem uma conta?

Translate this blog

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons nas seguintes condições: você pode copiar, distribuir e utilizar livremente, desde que cite a autoria com link para o artigo neste blog, não o utilize com finalidade comercial e não faça modificações no conteúdo.

27 janeiro 2009

Dízimo: uma breve história - 2


Se ainda não leu, leia a primeira parte de Dízimo: uma breve história.

Período interbíblico

Como vimos, no Antigo Testamento não tivemos uma uniformidade na forma e na regularidade da entrega do dízimo. No período que vai de Malaquias ao Novo Testamento o dízimo continua sendo a principal fonte de renda dos sacerdotes e levitas.

Os livros apócrifos do período fazem freqüente menção aos dízimos (1Macabeus 3:49; 10:31; 11:35; Judite 11:13). O Eclesiástico ordena “consagra os dízimos com alegria” (Eclesiástico 35:11), prometendo que o Senhor “recompensar-te-á tudo sete vezes mais” (Eclesiástico 35:13). O livro de Tobias dá testemunho de Tobit, da tribo de Naftali, que "dirigia-se ao templo do Senhor em Jerusalém, onde adorava o Senhor Deus de Israel, oferecendo fielmente as primícias e os dízimos de todos os seus bens. De três em três anos, dava aos prosélitos e aos estrangeiros todo o seu dízimo" (Tobias 1:6-7).

Porém, assim como no período do Antigo Testamento os judeus frequentemente deixaram de entregar o dízimo, alguns sacerdotes tomaram medidas para assegurar o seu sustento. Como os agricultores não eram considerados confiáveis no sentido de cumprir com esta obrigação religiosa, bandos eram enviados para tirarem os dízimos à força das eiras.

Neste período o dízimo sofreu algumas modificações. Inicialmente, eram sujeitos às leis do dízimo apenas os frutos da agricultura e dos animais. Mas o Mishná e o Talmude definiram que “tudo o que é utilizado para alimentação, que é cuidado e cresce sobre o solo é susceptível ao dízimo”. Por isso, os fariseus dos dias de Jesus davam dízimo de hortaliças como a hortelã e o cominho.

Os rabinos definiram cuidadosamente uma época sagrada quando as coisas deveriam ser dizimadas – havia um tempo certo para que gado, frutos da terra e das árvores fossem apresentados aos sacerdotes.

Além disso, ao dízimo foi acrescido um imposto per capita de meio siclo por ano, para sustentar o templo e seus ministros. O imposto era cobrado não apenas dos judeus da palestina, mas também dos que viviam na diáspora.

Mesmo depois da destruição do templo os rabinos destacavam a importância do dízimo. Diziam que era um dos meios pelo qual o mundo foi criado e uma das formas pela qual os israelitas escapavam da sorte dos ímpios. Os rabinos também decidiram que o dízimo que antes era destinado aos pobres, deveria ser todo ele entregue aos oficiais do templo.

1 comentários:

Luis Carlos disse...

Olá Clóvis,
Gostei de seu estudo sobre os dízimos. Gostaria de lhe dizer que também tenho estudado sobre a história dos dízimos e tem sido muito edificante para mim. Abraços

Postar um comentário

Sua leitura deste post muito me honrou. Fique à vontade para expressar suas críticas, sugestões, complemetos ou correções. A única exigência é que seja mantido o clima de respeito e cordialidade que caracteriza este blog.