Já tem uma conta?

Translate this blog

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons nas seguintes condições: você pode copiar, distribuir e utilizar livremente, desde que cite a autoria com link para o artigo neste blog, não o utilize com finalidade comercial e não faça modificações no conteúdo.

24 janeiro 2009

Pentecostal de coração e mente

Glorifique a Deus com sua mente, coração e espírito.

O movimento pentecostal-carismático trouxe grande vitalidade à vida da igreja. Esse movimento do início do século XX, porém, também continha um forte elemento de anti-intelectualismo que fez com que, desde então e até hoje, muitos cristãos desvalorizem a razão. Este livro examina as raízes do anti-intelectualismo e explora as bases bíblicas e históricas dessa tendência, mostrando a importância do dom divino do intelecto em termos de fé e prática.

Nañez mostra como a razão humana nos ajuda tanto a entender e interpretar a Palavra de Deus, as doutrinas cristãs e a vida espiritual, como nos fornece argumentos para defender o evangelho. Ele apresenta o que a Bíblia ensina sobre a mente e explora os acontecimentos do século XIX, a história do pentecostalismo e os falsos juízos populares sobre o intelecto em relação à fé cristã.

Este livro oferece um comentário excepcionalmente útil para o ensino nos dias atuais e também observações perspicazes sobre as conseqüências trágicas de as igrejas abandonarem o zelo intelectual responsável. Especialmente digno de nota é que o autor mantém suas convicções pentecostais com integridade.

PS.: Concluí a leitura desse livro e postarei uma resenha em breve.

4 comentários:

Daniel Grubba disse...

Um livro excelente, recomendo a todos.

Daniel

Clóvis disse...

Daniel,

Vi em seu blog que também o o leu. De fato, todo pentecostal deveria ler este livro. E não pentecostais também, pois a realidade espelhada atinge a todos, em menor ou maior grau.

Em Cristo,

Clóvis

Roger disse...

Parece uma coisa muito boa! Sem dúvida esse é um ponto nerválgico. Sempre gostei de uma máxima do Caio Fábio, Deus é Deus de milagres, não de absurdos.

Abrçs,

Roger

Clóvis disse...

O livro é realmente bom e oportuno. Traz não apenas um mea culpa mas dicas de como reverter a situação de antiintelectualismo reinante.

Em Cristo,

Clóvis

Postar um comentário

Sua leitura deste post muito me honrou. Fique à vontade para expressar suas críticas, sugestões, complemetos ou correções. A única exigência é que seja mantido o clima de respeito e cordialidade que caracteriza este blog.