Já tem uma conta?

Translate this blog

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons nas seguintes condições: você pode copiar, distribuir e utilizar livremente, desde que cite a autoria com link para o artigo neste blog, não o utilize com finalidade comercial e não faça modificações no conteúdo.

07 outubro 2009

Jardim Clonal solta o verbo

O cessacionismo tem levantado muita controvérsia nos dias de hoje. É inegável que há exageros por parte de pentecostais e neopentecostais, além de muita ignorância sobre os dons espirituais e sua correta aplicação na igreja. Por outro lado, há muitos que rejeitam qualquer manifestação extraordinária do Espírito Santo nos dias de hoje. Sobre este assunto, nosso irmão comentou:
Farei agora, duas críticas pontuais nas quais não posso me estender, mas que espero servirem de reflexão:

1) Infelizmente tem ocorrido uma supervalorização dos dons extraordinários e uma subvalorização dos dons ordinários. Não são, segundo 1 Coríntios 12:28, os dons de Socorro e Governo superiores ao dom de línguas? E os mestres superiores aos operadores de milagres?

2) Muitas vezes os Cristãos se confundem ao avaliar a Escritura à luz da experiência, em lugar de considerar a experiência sob a Luz da Escritura. Isto faz com que eventos sobrenaturais que não são dons sejam considerados dons ou que determinado dom seja tomado por outro e que, com este pressuposto, o assunto seja avaliado. Por exemplo, se um determinado irmão ora e uma pessoa é decididamente curada de uma grave doença, isto é necessariamente um dom de cura? Ou Deus agradou-se de ouvir ao "justificado em Cristo" que clamava, misericordiosamente atendendo-o porquê "muito pode a oração do justo em seus efeitos"? Um homem que prenuncia certo evento e se entrega à oração clamando ao Senhor por isto, e é atendido. Este homem teria o dom de profetizar ou, simplesmente, o dom da fé (lembremos de George Müller)?

Sinceramente, creio que os Reformados precisam debruçar-se sobre o assunto e cunhar uma precisa e sistemática "Teologia dos Milagres", em auxílio aos irmãos pentecostais que são, muitas vezes, presas para falsos profetas e charlatães e em auxílio aos irmãos reformados que muitas vezes não conhecem um Deus Vivo e que nos Vê.
Jardim Clonal Membro de uma Igreja Puritana no Rio de Janeiro In: O que é cessacionismo

8 comentários:

Helder Nozima disse...

Clóvis,

É otimismo demais. O dia que o Andrew Jumper, por exemplo, se dispor a trabalhar em uma precisa e sistemática "Teologia dos Milagres" sem ser para divulgar uma visão cessacionista...olha...nem sei o que poderia acontecer.

Ewerton B. Tokashiki disse...

Caros Clóvis e Helder

Caso os irmãos tenham interesse em ler uma perspectiva reformada acerca de MILAGRES sugiro a leitura do texto de Gordon J. Spykman.

http://ipportovelho.com/index.php?option=com_content&task=view&id=465&Itemid=42

PS* Apenas esclerecendo não crêr na continuidade da revelação proposicional, não é a mesma coisa que negar a possibilidade de milagres hoje, como uma manifestação providencial da graça de Deus. Cuidado para não confundir "tigre" e "trigo". Um abraço,
Pr Ewerton B. Tokashiki

Clóvis disse...

Pr. Ewerton,

É uma honra tê-lo, por aqui. Ontem eu lia um trecho do livro "A providência e sua realização histórica", de Heber Carlos de Campos no qual ele dizia:

"Todavia, não cremos que Deus opere milagres do modo como fazia nos tempos apostólicos, para atestar a autoridade dos apóstolos ou para serem veículos de sua revelação. Não cremos em milagres reveladores de Deus hoje em dia. Cremos sim, numa providência extraordinária de Deus, mas não em milagres no seu sentido mais estrito, como nos tempos da história da redenção."

Creio que é a isso que o irmão está se referindo. Vou ler o texto indicado.

Em tempo: sou grandemente abençoado por suas traduções.

Em Cristo,

Clóvis

Clóvis disse...

Pr. Ewerton,

Li o texto de Gordon J. Spykman, merece uma segunda leitura, mais pausada. De qualquer forma, não me pareceu que ele seja um texto cessacionista, embora seja muito útil para uma compreensão mais precisa da posição reformada sobre os milagres.

No trecho:

"Os milagres são confirmações da invencível verdade da Palavra de Deus. Não são exibições brutas de poder. Seu propósito não é impressionar as pessoas com tediosas demonstrações da onipotência divina. Não são para satisfazer nossa curiosidade. Os milagres estão carregados de intenção revelacional, de propósito e significado."

Parece que há um conflito com a citação que fiz do Pr. Heber, no comentário acima.

Em Cristo,

Clóvis

Jardim Clonal disse...

Obrigado pela republicação do comentário.

Quanto ao otimismo, irmão Helder, é bem fundamentado. Se "Andrew" não fizer, peço ao nosso Senhor e aguardo nEle que nos leve a fazê-lo. Ao menos, está "Teologia do Milagres" está na lista de mais de 20 livros que a Igreja Puritana que pertenço está apoiando, desenvolvendo e publicando - aos poucos (conforme a Graça de nosso Senhor nos concede).

Peço, humildemente, que orem por nós.

Que o Senhor nos abençoe aprofundando cada vez mais nosso conhecimento da Verdade.

Clóvis disse...

Jardim,

Como tomar conhecimento dessas obras em andamento e dos respectivos lançamentos?

Em Cristo,

Clóvis

Jardim Clonal disse...

Estamos desenvolvendo um site para a Igreja.

Até ele estar pronto, responderemos aos interessados que nos escrevem e-mails ou que entram em contato pelo formulário do blog do Jardim Clonal (www.jardimclonal.blogspot.com) ou pelo blog do projeto do Instituto Malleus Dei (institutomalleusdei.wordpress.com).

Clóvis disse...

Jardim,

Visitei seu blog e já adicionei-o ao blogroll do Cinco Solas.

Em Cristo,

Clóvis

Postar um comentário

Sua leitura deste post muito me honrou. Fique à vontade para expressar suas críticas, sugestões, complemetos ou correções. A única exigência é que seja mantido o clima de respeito e cordialidade que caracteriza este blog.