Já tem uma conta?

Translate this blog

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons nas seguintes condições: você pode copiar, distribuir e utilizar livremente, desde que cite a autoria com link para o artigo neste blog, não o utilize com finalidade comercial e não faça modificações no conteúdo.

26 janeiro 2010

Cessacionismo e rebelião - artigo completo

Não apaguem o Espírito. Não tratem com desprezo as profecias. (1Ts 5:19-20, NVI)

Os versículos 19-22 discutem a política apostólica para com a profecia. Paulo escreve, “não tratem com desprezo as profecias”, mas ele diz aos cristãos para por “à prova todas as coisas”.

Cessacionismo é a falsa doutrina que as manifestações de concessões miraculosas tais como aquelas listadas em 1 Coríntios 12 cessaram desde os dias dos apóstolos e a finalização da Bíblia. Embora não exista nenhuma evidência bíblica para essa posição, um motivo principal para essa invenção é assegurar a suficiência da Escritura e a finalidade (completação) da Escritura. Contudo, tem sido mostrado que a continuação das manifestações miraculosas de fato não contradiz essas duas doutrinas, nem as coloca em risco.(1) Dessa forma, o cessacionismo é tanto antibíblico como desnecessário.


Mais que isso: o cessacionismo é também perverso e perigoso. Isso porque se o cessacionismo é falso, então aqueles que advogam essa doutrina estão pregando rebelião contra o Senhor.

A Bíblia ordena aos cristãos: “Sigam o caminho do amor e busquem com dedicação os dons espirituais, principalmente o dom de profecia” (1 Coríntios 14.1). Se o cessacionismo é correto, mas não sabemos isso, então ainda poderíamos obedecer com segurança essa instrução, embora não receberíamos o que desejamos. Isto é, se a profecia cessou, mas penso que ela ainda continua, então eu ainda poderia desejar o
dom de profecia de acordo com este mandamento, mas não receberei o dom de profecia. Nenhum dano é feito.(2)

Por outro lado, visto que o cessacionista ensina que a profecia cessou, então embora a Bíblia diga “busquem os dons espirituais”, ele não desejará os dons espirituais, visto que os dons espirituais não estão mais em operação, e aqueles dons que as pessoas pensam ter são necessariamente falsos. Isso também se aplica à profecia em particular.

Assim, embora Paulo diga, “não tratem com desprezo as profecias”, o cessacionista deve tratar todas as profecias com desprezo, visto que ele crê que a profecia cessou, de forma que todas as profecias hoje são falsas. Sua visão para com a profecia deve ser “rejeitar todas as coisas”, em vezes de por “à prova todas as coisas”. Mas novamente, se o cessacionismo é falso, então essa pessoa estaria pregando rebelião contra os mandamentos bíblicos de desejar e provar as manifestações espirituais.

Visto que os mandamentos “busquem os dons espirituais”, “não tratem com desprezo as profecias”, e “ponham à prova todas as coisas” são revelados por autoridade divina e infalível, o cessacionista deve apresentar um argumento infalível para torná-los inaplicáveis hoje. Se não pode fornecer isso, mas ainda advoga o cessacionismo em face desses mandamentos bíblicos explícitos, então não é óbvio que ele tem condenado a si mesmo diante de Deus, mesmo que esta pessoa esteja correta que os dons cessaram? Nenhum cristão deveria ousar seguir tal pessoa ou crer em sua doutrina. Se uma pessoa prega o cessacionismo, mas não pode prová-lo – se não pode fornecer um argumento infalível para ele (visto que o mandamento para buscar as manifestações espirituais é claro e infalível), então isso significa que ele conscientemente prega rebelião contra alguns dos mandamentos claros da Bíblia. Por que, então, ele não deveria ser removido do ministério, ou mesmo excomungado da igreja?

Visto que os argumentos para o cessacionismo são forçosos e frágeis, e visto que a doutrina apresenta um perigo tão grande, é melhor acreditar na Bíblia como ela está escrita, e obedecer aos seus mandamentos como estes estão declarados – isto é, “busquem os dons espirituais” e “ponham à prova todas as coisas”. Essa posição é fiel às declarações diretas da Escritura, mas requer resistência corajosa aos argumentos falaciosos, intimidações acadêmicas e tradições eclesiásticas.

Inerente nesta abordagem bíblica está a proteção contra os fanáticos neo-pentecostais e os milagres falsos. A Bíblia nos instrui a por “à prova todas as coisas”, e visto que isso é suficiente, ela é capaz de expor os milagres falsificados e as profecias falsas. A resposta não é afirmar que os dons cessaram, mas seguir as instruções que a Bíblia já deu sobre o assunto. Essa posição, que deveríamos seguir o que a Escritura diz, nos ofereceria proteção perfeita, mesmo que o cessacionismo fosse correto. Se a profecia de fato cessou, então qualquer profecia hoje é falsa. Visto que a Bíblia é uma revelação suficiente, a informação nela nos capacitará a por “à prova todas as coisas”, de forma que qualquer suposta profecia hoje ou será testada, e encontrando-se falsa, será condenada, ou se o conteúdo é tal que a torna intestável, será ignorada.

O cessacionismo nos ensina a abandonar alguns mandamentos divinos sem garantia divina, e dessa forma prega rebelião, mas a posição que deveríamos obedecer tanto “busquem os dons espirituais” como “ponham à prova todas as coisas” prega obediência ao Senhor, e é ao mesmo tempo capaz de se proteger contra todo engano. Não existe nenhum perigo em desejar dons espirituais, conquanto também testemos todas as coisas – se todas as manifestações espirituais são falsas, então exporemos todas elas como falsas quando as testarmos, e assim consideraremos todas elas como falsas. Uma pessoa que faz isso não está em perigo de incorrer em julgamento.

(1) Veja Don Codling, Sola Scriptura and the Revelatory Gifts (Sentinel Press, 2005).
(2) Se a profecia cessou, mas penso que continua, eu desejarei a mesma e falharei em receber, e então é possível que eu pense que a tenha recebido (e isso é possível porque eu falsamente penso que ela continua) e passe a profetizar. Isso seria uma falsa profecia. Há de fato dano nisso, mas o problema não está em pensar que a profecia continua, mas em pensar que eu tenho o dom quando não o tenho. Assim, essa é uma questão relacionada, mas separada, e é abordada pela instrução de Paulo, isto é, testando-se a suposta profecia, e não imposto a doutrina antibíblica do cessacionismo.

Vincent Cheung
PO Box 15662, Boston, MA 02215, USA
http://www.vincentcheung.com

Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto (Março/2009)
www.monergismo.com

4 comentários:

Danilo Neves disse...

Uma das coisas que Vicent Cheung frisou bem foi colocar á prova todas as coisas.

Quando Vicent Cheung diz: "Contudo, tem sido mostrado que a continuação das manifestações miraculosas de fato não contradiz essas duas doutrinas, nem as coloca em risco.(1)", esperei que ele pudesse citar abundantes teólogos. Quanto mais, melhor.

Ele diz que "o cessacionismo é também perverso e perigoso. Isso porque se o cessacionismo é falso, então aqueles que advogam essa doutrina estão pregando rebelião contra o Senhor", mas não é tão categórico ao dizer: "Se o cessacionismo é correto, mas não sabemos isso...mas penso que ela ainda continua...Mas novamente, se o cessacionismo é falso"

Ele questiona, logicamente (e não com estudo bíblico sério, fazendo o uso também de lógica), que a pessoa que advoga o cessacionismo "deveria ser removido do ministério, ou mesmo excomungado da igreja?". Pensando assim, Crisóstomo, Agostinho, Jonathan Edwards, Matthew Henry, George Whitefield, Charles Spurgeon, B. B. Warfield Robert L. Dabney, Abraham Kuyper, W. G. T. Shedd... deveriam ser excomungados.(HENDRIKSEN, W. Comentário do Novo Testamento - Marcos. Editora Cultura Cristã, 1edição, pg 868. São Paulo-SP, 2003)

Cheung tem minha admiração quando diz: "se todas as manifestações espirituais são falsas". Pelo artigo, ele vem combatendo firmemente tanto os (neo)pentecostais fanáticos quanto os cessacionistas que cessam até de ler as Escrituras! Nem todo cessacionista diz que todas as manifestações espirituais ou profecias são falsas. Por isso, gostei do "se" que ele colocou nessa frase.

Por último, se Cheung quisesse ser mais convincente ele poderia ter feito um bom estudo de caso, por exemplo, de Hb 1.1-3 (texto que os cessacionistas gostam de citar). O problema inicial é entender como se deu a REVELAÇÃO nas Escrituras. Se ela foi progressiva ou não, esse é o ponto.

Não sou cessacionista no sentido que o Cheung coloca. Creio em milagres e até em profecias a lá A.T. e N.T. (se, de fato, Deus mandar), mas tenho dificuldades em ver nas de hoje algum caráter revelacional, como se Deus estivesse transmitindo a alguns Suas verdades, e não a Sua Igreja.

Clóvis disse...

Danilo,

Excelentes a sua contribuição. Vou pensar, principalmente na parte final de seus comentários.

Em Cristo,

Clóvis

Ricardo Mamedes disse...

Clóvis,

Eu penso exatamente igual ao Danilo. Não sou cessacionista, porque o Deus de ontem é o mesmo Deus de hoje. Pensar o contrário seria pensar outro deus - este menor. Até fiz um comentário com esse mesmo teor no BJC, onde considero difícil acreditar nas profecias e profetas de plantão. Não vejo o dom de profecia como aquele do VT, onde os profetas eram "nomeados" por Deus. Creio na profecia como um dom da Igreja também: Deus usa as pessoas (crentes) como Lhe convém, sem que nem mesmo elas saibam que estão transmitindo uma profecia. E a igreja como instrumento de propagação da revelação.

Profetas audenominados não, não acredito. Desses que batem no peito e se exibem como profetas do Senhor, repetindo o antigo refrão: "assim diz o Senhor..."

Todavia, ainda fico com a contemporaneidade dos dons, mesmo os miraculosos. Acredito, como Cheung, que não há prova cabal nos Evangelhos apoiando o cessacionismo.

Abraço,

Em Cristo,

Ricardo

Ismael disse...

Clóvis,

Ótimo artigo, valeu a pena publicá-lo por aqui.

Eu creio na contemporaneidade de todos os dons espirituais, acredito que eles foram dados para edificação da igreja. Penso que a Bíblia fornece instrumentos para identificar quais manifestações são verdadeiras ou não. O problema é que os cristãos deixaram de "buscar os melhores dons" e estão mais preocupados com os dons sobrenaturais. Eu creio que se somente UMA pessoa em toda história da igreja falasse em línguas, por exemplo, toda profecia bíblica em relação aquele dom se cumpriria perfeitamente e eu me sentiria parte disso - por que também sou parte da igreja.

Aliás, profecia para mim é o testemunho da fé em Cristo. Toda exposição da fé cristã, por mais simples que seja, não deixa de ser profecia. E eu acredito que é sobrenatural isto. Se pela pregação de uma pessoa um pecador se converte quão sobrenatural não é esta manifestação? É um verdadeiro milagre!

O problema é que os cristãos ainda pensam que os dons são de usufruto particular. Todo dom é dado para edificação da igreja e não de indivíduos.

Abraços,

Ismael

Postar um comentário

Sua leitura deste post muito me honrou. Fique à vontade para expressar suas críticas, sugestões, complemetos ou correções. A única exigência é que seja mantido o clima de respeito e cordialidade que caracteriza este blog.