Já tem uma conta?

Translate this blog

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons nas seguintes condições: você pode copiar, distribuir e utilizar livremente, desde que cite a autoria com link para o artigo neste blog, não o utilize com finalidade comercial e não faça modificações no conteúdo.

02 abril 2010

A descida do Salvador ao inferno - 2

b. Base Bíblica para a expressão.

Há especialmente quatro passagens que entrarão em consideração aqui.

(1) Ef. 4.9, “Ora, que quer dizer subiu, senão que também havia descido até às regiões inferiores da terra? Os que procuram apoio nesta passagem tomam a expressão “regiões inferiores da terra” como equivalente de “hades”. Mas esta é uma interpretação duvidosa. O apóstolo argumenta que a subida de Cristo pressupõe uma descida. Ora, o oposto da ascensão é a encarnação, cf. Jo 3.13. Daí, a maioria dos comentadores entende que a expressão se refere simplesmente à terra. A expressão pode derivar de Sl 139.15 e se refere mais particularmente à encarnação.

(2) 1 Pe 3.18, 19, que fala de Cristo como estando “morto, sim, na carne, mas vivificado no espírito, no qual também foi e pregou aos espíritos em prisão”. Supõe-se que esta passagem se refere à descida ao hades e visa a declarar o propósito dessa descida. O espírito ali referido é então entendido como sendo a alma de Cristo, e a pregação mencionada terá que ter tido lugar entre a Sua morte e a Sua ressurreição. Mas, tanto uma coisa como a outra são impossíveis. O Espírito mencionado não é a alma de Cristo, mas o Espírito vivificante, e foi com esse mesmo Espírito que dá vida que Cristo pregou. A interpretação comum que os protestantes fazem desta passagem é que, no Espírito, Cristo pregou por meio de Noé aos desobedientes que viveram antes do dilúvio, que eram espíritos em prisão quando Pedro escreveu, podendo ele, pois, denomina-los desse modo. Bavinck considera isso insustentável e interpreta a passagem como se referindo à ascensão, que ele considera uma rica, triunfante e poderosa pregação aos espíritos em prisão.

(3) 1 Pe 4.4-6, particularmente o versículo 6, redigido como segue: “Pois, para este fim foi o evangelho pregado também a mortos, para que, mesmo julgados na carne segundo os homens, vivam no espírito segundo Deus”. Neste contexto o apóstolo admoesta os leitores a que não vivam o restante de suas vidas na carne para as luxúrias dos homens, mas para a vontade de Deus, mesmo que com isso ofendam os seus ex-companheiros e sejam ultrajados por eles, visto que eles terão que prestar contas dos seus feitos a Deus, que está pronto a julgar os vivos e os mortos. Os “mortos” a quem o Evangelho foi pregado, evidentemente não estavam mortos ainda quando ouviram a sua pregação, visto que o propósito dessa pregação era, em parte, que fossem “julgados na carne segundo os homens”. Isso só poderia acontecer durante a vida deles na terra. Com toda a probabilidade, o escritor se refere aos mesmos espíritos dos quais fala no capítulo anterior.

(4) Sl 16.8-10 (comp. At 2.25-27, 30, 31). É especialmente o versículo 10 que entra em consideração aqui: “Pois não deixarás a minha alma na morte, nem permitirás que o teu Santo veja corrupção”. Desta passagem Pearson conclui que a alma de Cristo esteve no inferno (hades) antes da ressurreição, pois se nos diz que ela não foi deixada lá. Mas devemos notar o seguinte: (a) A palavra nephesh (alma) é muitas vezes empregada no hebraico pelo pronome pessoal, e sheol, pelo estado de morte. (b) Se entendermos assim essas palavras aqui, teremos um claro paralelismo sinonímico. A idéia expressa seria a de que Jesus não foi deixado sob o poder da morte. (c) Isso está em perfeita harmonia com a interpretação feita por Pedro em At 2.30, 31, e por Paulo em At 13.34, 35. Em ambos os casos o Salmo é citado para provar a ressurreição de Jesus.

Louis Berkhof
In: Teologia Sistemática

6 comentários:

Luciano disse...

Gostaria de destacar aqui que Bavinck é o teólogo reformado( seria ele o unico?) que sustenta a mesma visão de Vine, quanto a 1 Pd 3.19. Como Berckof demontra acima, para Bavinck a interpretação tradicional de que Cristo pregou pelo ministério de Noé é insustentável. Bavinck em sua Dogmatica ( ou teologia? Gruden acha improprio chamá-la de TEologia Siatematica pois falta alguns temas )Mas Bavinck faz uma observação que acho determinante.O vers 22 do mesmo capítulo coloca a ideia em sintonia com a ressurreição de Cristo.Pedor diz: " *O qual, depois de ir para o céu, está à direita de Deus, ficando-lhe subordinado anjos, e potestades, e poderes." Observe o inicio do vers 19 " no qual também foi e pregou aos espíritos em prisão."

Luciano disse...

MEU ERRO! disse acima que Grudem disse sobre Bavinck, confiei na memoria e errei. Ele disse aquilo sobre Finey.

Esli Soares disse...

Luciano...

Bavink em Finney... ele deve ter se revirado no "túmulo".

Clóvis disse...

Luciano,

Eu quase embarquei nessa confusão do Bavink com o Finney. Isso por que a obra chamada de teologia sistemática lançada no Brasil não é de fato a TS do Bavink, apesar de ser um excelente livro.

Já a "ts" do Finney... sem comentários.

Clóvis

Luciano disse...

Pr Esli, vc não vai acreditar, mas trabalhei em uma livraria evangélica por 2 anos e teve um irmão de alguma igreja, nem me lembro qual, que comprou a TS do Finney e devolveu dois dias depois, pois leu que ele, Finney, ensinava a predestinação ! Bem, eu não li. Mas pelo jeito algo que ele leu levou-o a essa conclusão. Será que leu certo?

Clóvis disse...

Luciano,

O que deve ter assustado o irmão deve ter sido as seguintes declarações:

"Deve, portanto, ser obrigatoriamente verdadeiro que todos aqueles que Deus salvou e outros que ainda salvará, foram escolhidos por Ele para a salvação desde a eternidade; e uma vez que os salva por meio da santificação em Cristo, e o faz de modo planejado, segue-se que isto deve ter obrigatoriamente sido planejado ou intencionado por Ele na eternidade. Para negar a doutrina da eleição, portanto, deve estar envolvida a negação dos atributos de Deus." Até tu Finney? - 1

Ou então:

"Deus não tinha nenhuma obrigação com quem quer que fosse — Ele poderia, em perfeita justiça, ter enviado toda a humanidade para o inferno. A doutrina da eleição não traz dano a ninguém: por tratar os não eleitos de acordo com os seus méritos, Ele não lhes faz injustiça; e certamente a sua graça exercitada na salvação dos eleitos, não é um ato de injustiça para com os não eleitos; e isto se mostrará especificamente verdadeiro, se levarmos em consideração o fato de que a única razão pela qual os não eleitos não serão salvos, é devido a recusarem a salvação obstinadamente." Até tu, Finney? - 2

Mas antes que alguém chame Finney de calvinista, é bom saber que a sua doutrina da eleição é pior que a dos arminianos, aliás, é herética.

Em Cristo,

Clóvis

Postar um comentário

Sua leitura deste post muito me honrou. Fique à vontade para expressar suas críticas, sugestões, complemetos ou correções. A única exigência é que seja mantido o clima de respeito e cordialidade que caracteriza este blog.