Já tem uma conta?

Translate this blog

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons nas seguintes condições: você pode copiar, distribuir e utilizar livremente, desde que cite a autoria com link para o artigo neste blog, não o utilize com finalidade comercial e não faça modificações no conteúdo.

26 abril 2010

O deus do teísmo aberto é um impostor

Desde meu primeiro contato com aquilo que é chamado de visão “aberta” sobre Deus, procuro ajudar a desfazer o equívoco desse novo jeito de refletir acerca de Deus. Tenho procurado fazer tudo o que posso para defender o verdadeiro caráter de nosso glorioso Deus e a verdadeira fé que tanto prezamos como cristãos, em face dessa visão reduzida sobre Deus e a nossa fé. Pela glória de Deus e pelo bem dos cristãos, a visão aberta precisa ser encarada por aquilo que é e avaliada com cuidado por cristãos com mentalidade bíblica. Estou confiante que, quando tal avaliação tiver sido feita, os seguidores do Deus vivo e verdadeiro verão essa divindade aberta como um impostor e não como o verdadeiro Deus que alguns afirmam ser ele.

O tratamento que dispensamos a essa perspectiva aberta neste livro não é nada exaustivo. Todavia, oferece uma visão geral e interação com essa posição que são suficientes para que os leitores entendam as características básicas do movimento, bem como alguns de seus problemas mais sérios. Meu diálogo mais extenso e desenvolvido com o teísmo aberto está disponível em outra publicação da Crossway, God’s Lesser Glory: The Diminished God of Open Theism [A reduzida glória de Deus: o Deus diminuto do Teísmo Aberto].

Escrevo este livro consciente de que porções significativas do movimento evangélico estão dispostas a validar a legitimidade do teísmo aberto. Importantes editoras evangélicas e instituições educacionais mantêm a visão de que o teísmo aberto deveria ser considerado como uma “opção evangélica”, mesmo que jamais seja amplamente aceita. Divirjo dessa opinião. Minha visão é de que o teísmo aberto é errado e prejudicial à fé a tal ponto que não há razão para que possa ser tolerado pela igreja evangélica. Os dias atuais certamente não são conhecidos por bases firmes ou limites bem definidos. Muito pelo contrário, vivemos em uma era que gosta de ser definida mais pelo que temos em comum no centro de nossa fé do que por doutrinas que nos distinguem. Em muitas questões sobre as quais divergimos, eu também recomendaria tolerância e discussão prolongada e contínua. Entretanto, o teísmo aberto foi longe demais. Sua visão sobre Deus é muito pequena.

O entendimento que o teísmo aberto tem sobre Deus diminui a glória e perfeição dele; a visão que tem sobre a fé leva ao desespero. Não podemos ficar negligentemente de braços cruzados e permitir que os defensores dessa visão influenciem a próxima geração de evangélicos sem serem contestados.

(...)

Que Deus se agrade em promover a glória de seu nome e sustentar a fé e esperança de seu povo. Até o ponto em que a crítica aqui fornecida ajudar a trazer mais entendimento sobre o Deus verdadeiro e maior confiança nele, eu serei o primeiro a render a Deus todo louvor. Pois somente a ele pertence toda a glória, agora e para sempre. Amém.

Bruce A. Ware

0 comentários:

Postar um comentário

Sua leitura deste post muito me honrou. Fique à vontade para expressar suas críticas, sugestões, complemetos ou correções. A única exigência é que seja mantido o clima de respeito e cordialidade que caracteriza este blog.