Já tem uma conta?

Translate this blog

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons nas seguintes condições: você pode copiar, distribuir e utilizar livremente, desde que cite a autoria com link para o artigo neste blog, não o utilize com finalidade comercial e não faça modificações no conteúdo.

20 julho 2010

Todos os que vão, são bem recebidos


A salvação do ladrão agonizante demonstra que o Senhor tem o desejo e é apto para salvar todos os que vêm até ele. Se Cristo recebeu esse ladrão penitente e crente, então ninguém precisa se desesperar de não ser bem recebido se tão-somente vier a ele. Se esse assaltante em agonia não estava além do alcance da misericórdia divina, então ninguém que solicite a graça divina ficará sem resposta. O Filho do Homem veio “buscar e salvar o que se havia perdido” (Lc 19.10), e ninguém pode estar numa condição pior do que essa. O evangelho de Cristo é o poder de Deus “para todo aquele que crê” (Rm 1.16). Ó, não limite a graça divina! Um Salvador é fornecido até para o “principal” dos pecadores (1Tm 1.15), se tãosomente ele crer. Mesmo aqueles que chegam à hora da morte ainda em seus pecados não ficam sem esperança.

Pessoalmente creio que muito, muito poucos sejam salvos num leito de morte, e são as raias da loucura qualquer homem postergar sua salvação até lá, pois não há garantia nenhuma de que terá ele um leito de morte. Muitos são cortados subitamente, sem qualquer oportunidade de deitar e morrer. Todavia, mesmo alguém naquele lugar não está além do alcance da misericórdia divina. Como disse um puritano, “há um caso tal registrado para que ninguém precise se desesperar, mas apenas um, na escritura, para que ninguém possa abusar”.

A. W. Pink
In: Os sete brados do Salvador na cruz

0 comentários:

Postar um comentário

Sua leitura deste post muito me honrou. Fique à vontade para expressar suas críticas, sugestões, complemetos ou correções. A única exigência é que seja mantido o clima de respeito e cordialidade que caracteriza este blog.